segunda-feira, 11 de abril de 2011

Luiz de Aquino Alves

SÉRIE: PATRONOS DA APLAM

LUIZ DE AQUINO ALVES
Patrono da Cadeira nº 17
Academia Pirenopolina de Letras, Artes e Música
  


Luiz de Aquino Alves
 
     Luiz de Aquino Alves (Pirenópolis 27.07.1898 – 8.2.1977), foi carpinteiro, juiz de paz, delegado de polícia, promotor de justiça, juiz de direito, vereador, dentista prático, professor, músico, cantor, ator, maestro e compositor.

      Era sexto filho, duma prole de oito, do sapateiro mineiro José Alves Florentino (Zeco Pinto) e da pirenopolina Maria Tomázia de Aquino (Mariquinha).

      Casou-se em 12.6.1920 com Ana das Dores Pereira, que faleceu em 30.10.1936. Aproximadamente dois meses depois (26.12.1936), casou-se pela segunda vez com Maria Pereira (Dendém), e deixou a seguinte descendência:

1ª Casamento: Israel, José Florentino, Luiz Tomaz, Ismael, Rute, Ismael II, Rigoleta.

2º Casamento: Rui, Brasil, Jerusa, Maria Genúsia, Luíza, Benedito, Lumar e Deusdedit.

 

Luiz é o 7º, sentado da esq. p/ direita, ao lado de Propício
  
     Ainda criança ficou órfão de pai e cresceu no convívio do rico ambiente musical da casa da avó Mariquinha, onde havia saraus que incentivavam o menino a gostar cada vez mais de música. Curioso, o pequeno Luiz começou a dedilhar sozinho um violão, instrumento pesado demais para sua pequena estatura e que o forçava a deitá-lo sobre a cama, como se fosse uma guitarra havaiana.

      Como o ambiente faz o homem, aos sete anos fabricou ele uma clarineta, para tocar valsas de ouvido, e certo dia, no aniversário de sua mãe, começou a acompanhar o conjunto musical que ali se apresentava. Mas o menino precisava aprender música, então seu tio Joaquim Tomaz de Aquino (alfaiate, músico de primeira e excelente ator teatral) ensinou-lhe a teoria musical e o presenteou com uma clarineta de verdade. Com a finalidade de aprender mais, passou a integrar a Banda Fênix de Joaquim Propício de Pina, quando trocou a clarineta pelo saxofone, e não tardou para se tornar o braço direito do mestre.

  

Mariquinha, mãe de Luiz
  
     Luiz de Aquino Alves era um gênio da música, com ouvido apuradíssimo, e Mestre Propício soube vislumbrar esse talento incomum em seu discípulo, que estimulou a aprender a tocar todos os instrumentos de metal da Fênix e assim se tornar seu afinador oficial. E quando Propício de Pina faleceu (em 1943), tanto a banda quanto o Coral da Matriz, já se encontravam sob a regência de Aquino.

  

Joaquim Tomaz de Aquino, tio de Luiz
 
     Luiz de Aquino era um homem de intensa vida social e cultivador das boas amizades. Desfrutava a vida com grande alegria e não abria mão dos pequenos prazeres, como caçar e pescar, jogar uma partida de canastra, contar piadas, tagarelar à toa com os amigos. Mas essas diversões acabavam por ocasião das festas mais importantes de Pirenópolis, quando então ele se dedicava com afinco aos ensaios da banda.

  


Residência de Luiz, na rua Direita, de azul

      O Brasil do pós-Segunda Guerra, no entanto, fortalecia o setor industrial (concentrado no litoral) em detrimento da agricultura (base da economia do Centro Oeste), isso empobreceu bastante Goiás e por consequência Pirenópolis. Neste período também se criaram três partidos políticos, a UDN (União Democrática Nacional) conservadora, direitista e anti-Vargas, o PSD (Partido Social Democrático) e o PTB (Partido Trabalhista Brasileiro), criados sob a inspiração de Vargas. Luiz de Aquino filiou-se ao PSD e a partir de então entrou numa verdadeira guerra, que sempre foi a política partidária de Pirenópolis – quem duvida que veja o filme Simeão, o Boêmio, direção de João Bênio.
  

Luiz e sua primeira esposa, Ana Pereira
 
     Ao assumir uma posição político-partidária em Pirenópolis, Luiz começou a ser perseguido, e isso somado ao fato de que a decadência econômica de Goiás já atingia em cheio a Banda Fênix, que só se reunia esporadicamente, culminou no seu injusto afastamento da corporação musical.

      Faleceu o velho maestro em 8 de fevereiro de 1977, aos 79 anos, e pediu aos filhos que não deixassem que a Fênix o acompanhasse ao túmulo. Seu desejo foi atendido.

 


Banda Fênix regida por Luiz, na década de 1950
 
     Deixou escritas composições maravilhosas, com rica harmonia e singulares arranjos, entre elas:

Rigoleta (Valsa, 1927)

Minha Esperança

Oswalda

Tudo por Amor

Balanço do Amor

Josefina

Luizinha

Jerusa

Selma

      No ano do seu centenário, a Sociedade dos Amigos de Pirenópolis prestou-lhe bonita homenagem, dentro do Projeto Tocando a Obra, na restauração da Matriz, quando então discursou seu neto Luiz de Aquino Alves Neto. É atualmente Patrono da Cadeira nº 17, da Academia Pirenopolina de Letras Artes e Música.

  


Zeco Pinto, pai de Luiz
 
     Vou me permitir um desabafo bem pessoal. Como que um músico da envergadura de Luiz de Aquino Alves cai assim no esquecimento? Ninguém se lembra mais dele em Pirenópolis, inclusive poucos familiares seus se interessam em divulgar sua história. Alguém com uma biografia como essa, um histórico de vida impecável, merecia, pelo menos, ser lembrado pelos atuais alunos da Banda Fênix, mas sei que nunca sequer ouviram falar dele. Quem explica isso?

  


Fonte:
Apontamento de Vera Lopes Siqueira;
Discurso de Luiz de Aquino Alves Neto, no centenário do maestro, em 25.07.1998.


Bibliografia:
Jayme, Familias, vol. III.
Jayme, José Sisenando. Pirenópolis, Humorismo e Folclore,, Edição do Autor, 1983.
Siqueira, Vera Lopes de. Tradições Pirenes., 2ª edição, Goiânia, Kelps, 2006.


Fotografias: as fotografias aqui expostas pertencem ao Acervo da Família Aquino Alves

8 comentários:

  1. Nossa querida Pirenópolis não para de me surpreender. Quando penso que já se esgotaram as novidades, eis que alguém saca, do nada, da cartola, a biografia de um importante gênio musical, do qual jamais ouvi falar. Como é rica a cultura goiana. E como é pouco divulgada, também. Exalta-se tanto o que vem de fota, em detrimento das nossas raízes verdadeiras.

    ResponderExcluir
  2. Solange de Souza Almeida11 de abril de 2011 11:56

    A história goiana precisa ser mais divulgada, para que nosso povo conheça os homens grandes que povoaram este Estado.

    ResponderExcluir
  3. Sandra Maria Veiga12 de abril de 2011 08:30

    A história da música goiana é riquíssima em personagens e composições. Veja o exemplo desse maestro Luiz de Aquino. Que linda a descrição do menininho com o violão deitado no colo!! Precisamos investir mais na educação musical da nossa terra, que os talentos estão aí aos montes.

    ResponderExcluir
  4. Alair dos Santos Meireles13 de abril de 2011 08:48

    Este seu blog é muito bom. Tem informações que a gente só encontra aqui. Gostei bastante da biografia desse maestro e acho que deveriam filmar a vida dele. Meus paragens pela feliz postagem.

    ResponderExcluir
  5. Mônica de Siqueira18 de abril de 2011 08:47

    Perguntei ao meu avô e ele disse que se lembra bastante do Luiz de Aquino, que era um grande músico mas que morreu brigado com a Família Pina, que era dona da banda. Isso é verdade?

    De qualquer maneira, valeu pela postagem e por destampar mais um pedacinho da história de minha querida Pirenópolis e do meu amado Goiás, de tantas lembranças e saudades.

    Um dia ainda volto para lá!

    ResponderExcluir
  6. Vamos por a academia pirenopolina de letras, arte e música para funcionar. Esse é meu sonho

    ResponderExcluir
  7. Mônica de Siqueira, essa informação é parcialmente verdadeira, mas a "briga" de meu avô Luiz de Aquino Alves não era "com a família Pina", tanto que as relações dele com dr. Wilno e seu principalmente seu pai Wilson era perfeitamente harmoniosa. Em lugar de briga, eu diria que houve, sim, divergência com um ou dois dos irmãos de Wilno - mas isso não vem ao caso (mais), sobretudo pelo belíssimo laço de amizade entre ele e Wilson.

    ResponderExcluir
  8. Mônica de Siqueira, essa informação é parcialmente verdadeira, mas a "briga" de meu avô Luiz de Aquino Alves não era "com a família Pina", tanto que as relações dele com dr. Wilno e seu principalmente seu pai Wilson era perfeitamente harmoniosa. Em lugar de briga, eu diria que houve, sim, divergência com um ou dois dos irmãos de Wilno - mas isso não vem ao caso (mais), sobretudo pelo belíssimo laço de amizade entre ele e Wilson.

    ResponderExcluir

Minhas leitoras e meus leitores, ao comentarem as postagens, por favor assinem. Isso é importante para mim. Se não tiver conta no Google, selecione Nome/URL (que está acima de Anônimo), escreva seu nome e clique em "continuar".

Todas as postagens passarão por minha avaliação, antes de serem publicadas.

Obrigado pela visita a este blog e volte sempre.

Adriano Curado