sexta-feira, 1 de junho de 2012

Adelaide Jaime e Josafá de Siqueira


SÉRIE PERSONALIDADES

CASAL ADELAIDE JAIME DE SIQUEIRA 
E JOSAFÁ DE SIQUEIRA


      O casal Adelaida Jaime de Siqueira (Pirenópolis 22.10.1890 – 6.10.1978) e Josafá de Siqueira (Pirenópolis 8.10.1888 – 25.5.1961), que sempre viveu em Pirenópolis, deixou numerosa descendência, hoje espalhada pelo País. Eles foram pessoas humildes, que sempre lutaram com dificuldades para criar os filhos.

Josafá de Siqueira
     
     Casaram-se na Matriz de Pirenópolis e tiveram os seguintes filhos: Benedito, Aristides, Sebastião, Ana, Inácia, Belinha, Conceição, Maria, Geralda e Roque, todos casados e com sucessão.


Adelaide Jayme de Siqueira
       
     Josafá foi músico da Banda Euterpe, à época de Silvino Odorico de Siqueira. Foi também funcionário público, onde exercia uma função penosa, que era abrir estradas no comando de vários homens e o único recurso que tinham era picaretas e alavancas. Uma das estradas abertas por Josafá é a que hoje liga Pirenópolis a Goianésia, o asfalto apenas alargou o caminho por ele traçado há mais de cinquenta anos.


Ponte sobre o Lava Pés e a casa branca do casal, à esquerda. Foto João Basílio
       
     Antes de se dedicar a abrir caminhos pelo cerrado, Josafá era o funcionário da Prefeitura Municipal responsável pelo pedágio do Córrego Lava Pés, na entrada da cidade. É que havia uma lei municipal que determinava a cobrança de uma taxa para cada veículo que entrasse na cidade. Existia ali uma pequena ponte bloqueada por uma cancela que Josafá abria depois de receber o tributo. 

     Na cabeceira da ponte enfileiravam-se palmeiras imperiais muito antigas, e a casa desse casal homenageado ficava ali próximo.


A Banda Euterpe
      
     Adelaida foi uma mulher de muita fibra e determinação. Filha da escrava Leocádia, de pele escura, conseguiu a muito custo vencer o preconceito da sociedade pirenopolina na primeira metade do século 20. Era alegre e comunicativa, tocava samba ao violão e gostava de festas. Era devota de Nossa Senhora Santana e nunca perdia a festa que acontece em julho no Povoado da Capela, distante 37 km de Pirenópolis. Sua popularidade era tamanha que chegou a ter uma centena de afilhados de batismo.


Maria Jaime a última filha do casal a falecer

Todos de sua numerosa prole já faleceram. A que mais viveu foi Maria, que faleceu em 04/11/2015, aos 92 anos de idade. 

Depois que se mudaram das proximidades do Lava Pés, Josafá e Adelaida foram morar na rua Aurora, num amplo casarão, por volta de 1945, quando os filhos já estavam encaminhados na vida. Ali viveram seus últimos anos com conforto, cercados por amigos na movimentada casa.


Casarão na rua Aurora onde o casal morou

      Casal religioso e muito bem quisto na sociedade pirenopolina, de quem todos guardam ternas recordações, merece estrear nossa série “Personalidades”.

Adriano Curado



FONTE
CARVALHO, Adelmo. Pirenópolis coletânea 1727 – 2000 – História, turismo e curiosidades. Goiânia: Kelps, 2000.
JAYME, Jarbas.Famílias Pirenopolinas (Ensaios Genealógicos). Goiânia, Editora Rio Bonito, 1973. Vol. V.
Pessoas entrevistadas:
* Boanerges Pireneus de Oliveira;
* João José de Oliveira;
* Maria Jayme de Siqueira Pina;
* Silvino Odorico de Siqueira.


7 comentários:

  1. Ana Maria Jayme Moraes4 de junho de 2012 11:08

    Esse casal merece mesmo uma linda lembrança, como essa que você postou aqui, porque deles vieram muitos descendentes que ajudaram a engrandecer a história de Goiás.

    Parabéns pela iniciativa do blog, escritor.

    ResponderExcluir
  2. Adriano, achei perfeita sua iniciativa de criar uma nova série para o blog, intitulada “personalidades”. Nela você pode postar histórias de pessoas mais simples, que não tiveram o destaque de um biografado, mas que merecem igualmente serem lembradas pela vida exemplar que tivera.

    Meus parabéns por não deixar morrer mais esse pedacinho da história de Pirenópolis.

    ResponderExcluir
  3. Sara de Lima Paiva4 de junho de 2012 16:48

    Eu conheço os bisnetos desse casal e vou contar para eles que vocês escreveu essa linda história.

    Parabéns.

    ResponderExcluir
  4. Que legal, Adriano, vc falar sobre vovó Adelaide e vô Zafá. Vovô Zafá eu não lembro, mas vovó Adelaide me deu uma saudade! Ela me cantava tantas histórias, inclusive umas dessas que vc comenta eu ja sabia através dela, que bom parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Meu pai conheceu dona Adelaide e me disse que ela era muito caridosa e religiosa.

    ResponderExcluir
  6. Acho lindo quando você ressurge com essas biografias. Parabéns.

    ResponderExcluir
  7. Fiquei encantada de ver essa familia da qual eu pertenco,pois sou filha de Roque casado com Amalia Pereira amei Ceid.

    ResponderExcluir

Minhas leitoras e meus leitores, ao comentarem as postagens, por favor assinem. Isso é importante para mim. Se não tiver conta no Google, selecione Nome/URL (que está acima de Anônimo), escreva seu nome e clique em "continuar".

Todas as postagens passarão por minha avaliação, antes de serem publicadas.

Obrigado pela visita a este blog e volte sempre.

Adriano Curado