quarta-feira, 19 de setembro de 2012

Fazenda Babilônia, preciosidade histórica de Goiás


Foto: Ubirajara Galli - Altar da capela da Fazenda Babilônia


Situada na zona rural de Pirenópolis, exatamente a 23 quilômetros do então arraial de Meia-Ponte, fica a Fazenda Babilônia, uma autêntica preciosidade nascida com o nome batismal de Engenho São Joaquim, no período colonial (1798), pelas mãos do Comendador Joaquim Alves de Oliveira.

Padre Simeão

O Engenho São Joaquim tornou-se por décadas o maior produtor de algodão e derivados da cana de açúcar em toda terra goiana. Para se ter ideia da grandiosidade operacional do Engenho nada menos que 200 escravos lá trabalhavam.

Foto: Ubirajara Galli - Detalhe da fachada da fazenda Babilônia
Natural de Pilar de Goiás (1770), o então futuro Comendador recebeu esse título honroso, diga-se merecido, por sua atuação filantrópica e cultural. Órfão desde cedo foi criado pelos padres jesuítas que o levaram para cidade do Rio de Janeiro onde iniciou a carreira sacra como seminarista. Sem vocação para vestir batina deixou o seminário para se envolver com muito talento no mundo dos negócios com empresas comerciais de exportação que operavam no Rio de Janeiro.

Varanda na entrada da fazenda Babilônia
A trajetória cultural do Comendador foi marcada, principalmente, por ter sido o financiador do jornal A Matutina Meiapontense - um dos primeiros do país- que circulou em Pirenópolis, entre 1830 a 1834, também por ter criado a primeira biblioteca da província, por ter financiado a maior reforma da igreja do Rosário e ainda ter sido merecedor dos primeiros versos do primeiro poeta goiano Florêncio Antônio da Fonseca Grostom, por causa da sua atuação contra a epidemia de sarampo que em 1811 assolou o arraial de Meia-Ponte.

Foto: Famílias Pirenopolinas, de Jarbas Jayme - 
Padre Simeão Estelita Lopes Zedes, 
além dos altares, bom de grana, 
adquiriu o Engenho São Joaquim, 
atual Fazenda Babilônia

No entanto, a vida do Comendador Joaquim Alves de Oliveira que recebeu em seu Engenho os mais importantes viajantes, naturalistas europeus, entre os quais: William John Burchell, August de Saint-Hilaire e Johann Emanuel Pohl, de todos recebeu elogios pela sua arrojada atividade econômica e padrão arquitetônico diferenciado da sede, respectivamente, maior casa de fazenda e maior engenho de cana de toda capitania, foi palco de uma tragédia familiar que mudou a sua vida. Ana Joaquina Alves de Oliveira, filha do Comendador, casada com Joaquim da Costa Teixeira foi flagrada por sua mãe, Ana Maria Moreira, na noite de 1º de maio de 1833, em pleno ato de adultério e morta pelo amante de sua filha, chamado Justiniano, feitor no Engenho, com um tiro de pistola.

Fundo da sede da Fazenda Babilônia
Em 1864, decorridos 13 anos da morte do Comendador, uma parte de terras do Engenho que pertencia ao coronel Joaquim da Costa Teixeira, genro Comendador foi vendida ao Padre Simeão Estelita Lopes Zedes. Novamente em 1875, a outra parte de terras do Engenho que abrigava a sede da fazenda foi também adquirida pelo Padre Simeão Estelita que mudou o nome do Engenho São Joaquim para Fazenda Babilônia.


Padre Simeão além de possuir um bom capital para adquirir o valorizado Engenho São Joaquim era também possuidor de uma farta prole de filhos gerada com Margarida Gonçalves do Amor Divino (sua conterrânea de Santa Luzia, atual Luziânia) com quem teve nove filhos. Dessa geração descende a sua simpática bisneta Telma Lopes que desde 1997 recebe  na Fazenda Babilônia turistas para degustarem um farto café colonial e interessados na historiografia na rural para uma saborosa viagem no tempo.


A senzala que abrigava os duzentos escravos do Comendador e a igreja dos pretos desapareceram. Porém, a capela construída por ele está lá e bela, como também a estrutura principal da casa-sede (cenário de novela global e do filme O Tronco, do cineasta João Batista de Andrade) e vários utensílios da sua época.

Fachada da Fazenda Babilônia da década de 1980
Ao fundo da casa-sede descendo as escadas que deixam a cozinha a uns 40 metros de distância está montado um bucólico cenário da engenharia rural para fabricação de melado, pinga, farinha, máquina de tear e além de outras engenhocas, um sonoro monjolo.



Visitar o Engenho São Joaquim nos livros é muito interessante. Porém, visitar a hoje fazenda Babilônia é um passeio imperdível para os amantes gastroculturais.”

Texto do escritor Ubirajara Galli publicado no Cardeno DM Revista do Jornal Diário da Manhã, 16.9.2012.

  Foto: Ubirajara Galli - Telma Lopes,
guardiã dedicada de uma bela herança familiar








10 comentários:

  1. Estive na Fazenda Babilônia no feriado de Carnaval e adorei tudo que há lá. Desde as histórias da simpática Telma Lopes até os farto café da manhã. O casão é mesmo de tirar o fôlego. Parece que a gente está dentro de uma história antiga e que a qualquer momento vão aparecer escravos.

    ResponderExcluir
  2. As história da Babilônia merecem mesmo ser contadas, para que todo mundo saiba da grandiosidade desses empreendedores do passado.

    ResponderExcluir
  3. Muito bonita a história desse Joaquim Alves de Oliveira. Mas eu penso cá com meus botões: e a história dos negros que levantaram aqueles muros de pedras e até mesmo o velho engenho, essa ninguém quer saber?!

    ResponderExcluir
  4. Fiquei muito maravilhada com o texto sobre a Fazenda Babilônia e encantada com as fotografias também.

    O autor soube bem captar a alma do lugar e trazer à luz sua essência e romantismo.

    Parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Já fui a essa fazenda e eu achei o lugar linda. Que tamanho daquela casa! Fiquei pensando nos bailes memoráveis que devem ter acontecido nos seus salões. Tem também também o outro lado, que é o do sofrimento dos escravos. Mas tudo isso ficou no passado e a fazenda sobreviveu para contar histórias para a gente.

    Ficou muito boa a postagem. Parabéns, ao dois, historiador que escreveu o texto e ao poeta que soube captar a sensibilidade dessas palavras.

    ResponderExcluir
  6. Até eu que nunca fui à Babilônia tive vontade de conhecer.

    ResponderExcluir
  7. Me deu vontade de voltar à Fazenda Babilônia depois desse texto gostoso de ler.

    ResponderExcluir
  8. Uma simpatia de pessoa (Telma) e de lugar.

    ResponderExcluir
  9. Deu água na boca de relembrar o café da manhã da Babilônia. Quero voltar logo lá.

    ResponderExcluir
  10. O texto é uma poesia em forma de prosa e as fotografias compõem uma simetria perfeita, algo capaz de atiçar nosso imaginário. Parabéns.

    ResponderExcluir

Minhas leitoras e meus leitores, ao comentarem as postagens, por favor assinem. Isso é importante para mim. Se não tiver conta no Google, selecione Nome/URL (que está acima de Anônimo), escreva seu nome e clique em "continuar".

Todas as postagens passarão por minha avaliação, antes de serem publicadas.

Obrigado pela visita a este blog e volte sempre.

Adriano Curado