quinta-feira, 31 de maio de 2012

O Espírito Santo

 
     É época de Pentecostes, instante de reflexão e preces, para receber o Espírito Santo. E foi certamente para celebrar esse momento tão único, que os antigos deram início aos festejos de viva cor e alegria cá em Pirenópolis.

      A festividade encarna em cada pirenopolino, reacende no espírito aquela vontade incontrolável de tocar o folclore para frente, mostrar ao filho do filho os ensinamentos que recebemos dos pais e avós.

      É emocionante, é de uma pureza singular, sem igual, a multicolorida farra dos Mascarados de Pirenópolis. Saem pelas ruas vestidos de alegria e entusiasmo, são eles os confeitos que aguçam o paladar e enchem os olhos da gente.

      A magia toma conta da Festa do Divino de Pirenópolis. Cada participante é um ente indispensável no sucesso do evento – a criança que desperta de madrugada para zabumbar na Banda de Couro, o idoso que se locomove com dificuldade e vai aplaudir o espetáculo, os cavaleiros das Cavalhadas que se desdobram sob sol forte, as cozinheiras anônimas que auxiliam o Imperador, o fogueteiro, os músicos da Fênix, o bispo que celebra a missa sacra, a Irmandade do Santíssimo Sacramento, as doceiras, os pregadores de bandeirolas, e tantos outros.

      Mas a Festa do Divino não seria jamais a mesma sem a espontaneidade do povo. No Campo das Cavalhadas, com chuva ou sol, lá está a plateia alegre e barulhenta, que agita bandeirolas azuis e vermelhas, acena lenços e joga beijos.

      Eu me emociono com esse espetáculo popular, com essa alma pirenopolina que recepciona de coração aberto a presença do Espírito Santo.

Adriano César Curado
















quarta-feira, 23 de maio de 2012

A dança e o teatro



     A Festa do Divino de Pirenópolis não seria a mesma sem duas manifestações culturais importantíssimas: a DANÇA e o TEATRO. 

     Desde o século 19 que ali se apresentavam inúmeros espetáculos dessa natureza, em especial durante as comemorações de Pentecostes, quando então ficava ao livre arbítrio do imperador autorizar ou não a apresentação. 

     Mas nem só durante as festas ocorreram encenações desse tipo, tanto que o primeiro prédio de teatro da cidade foi construído ainda em 1860, pelo comendador Manuel Barbo de Siqueira.

      O segundo teatro foi erguido em 1899 por iniciativa de Sebastião Pompeu de Pina e ainda existe no largo da Matriz. Em 1919 o padre Santiago Uchôa levantou o prédio que seria o terceiro teatro local, que mais tarde recebeu o nome de Cine-Teatro Pireneus, na rua Direita.

     No que se refere à peças teatrais, muitas foram apresentadas durante a Festa do Divino, a exemplo do drama Demofonte (maio de 1837, junho de 1878 e maio de 1969), o drama Aspásia (junho de 1837), o drama Fantasma Branco (junho de 1867 e maio de 1885), bem como Estátua de carne, O poder de ouro e Graças a Deus (em maio de 1874).

      Em relação à dança, podemos ressaltar as danças folclóricas, os torneios de catira, a complicadíssima encenação da contradança com suas fitas multicoloridas trançadas, além das coreografias do congo e da congada.

      Num misto entre o teatro e a dança, a principal manifestação é a peça As pastorinhas.

Bibliografia:
BRANDÃO, Carlos Rodrigues. O Divino, o santo e a senhora. Rio de Janeiro: Funarte, 1978.
CURADO, Glória Grace. Pirenópolis: Uma cidade para o turismo. Goiânia: Oriente, 1980.
JAYME, Irnaldo. Furacão histórico. Anápolis: Ed. Cristã Evangélica, 1970.
JAYME, Jarbas. Esboço histórico de Pirenópolis., Tomos I e II. Goiânia: UFG, 1971.


Adriano César Curado




terça-feira, 22 de maio de 2012

segunda-feira, 21 de maio de 2012

Cadê a Banda de Couro?


     Este blog é solidário aos percursionistas que compõem a velha Banda de Couro de Pirenópolis, numa tradição de ritmos que remontam à escravatura. É que, por falta de inclusão entre as despesas da Festa do Divino, este ano não teve, até agora, a presença da bandinha nos festejos.

     E quero ressaltar a importância das batidas ritmadas dos garotos que acordam de madrugada e saem pelas ruas da cidade, sozinhos e com frio, para não deixar morrer uma parte do nosso folclore. Na veia dos pirenopolinos corre farto sangue negro. Então precisamos ter mais respeito com sua herança cultural, atualmente já tão reduzida.

     Apesar de constar na programação, a Banda de Couro não vai tocar sem receber o justo pagamento pelo seu esforço.

      Por que não pagam também a Banda de Couro de Pirenópolis? Se alguém souber a resposta, por favor, me informe.

Adriano César Curado

Festa do Divino (programação completa)


PROGRAMAÇÃO DA FESTA DO DIVINO DE PIRENÓPOLIS 2012

 

11 de maio (sexta)

15:00 h – Saída da Folia do Divino da cidade e zona rural.

 

18 de maio (sexta)

04:00h – Alvorada com a Banda de Couro.
05:00h–Alvorada com a Banda de Música Fênix.
12:00 h – Repique de sinos, descarga de roqueiras e tocata da Banda de Música ao lado da Igreja Matriz
19:00 h – Missa e início da Novena do Divino Espírito Santo, seguida da benção do Santíssimo Sacramento, com a participação da Orquestra e Coral Nossa Senhora do Rosário. Após a Novena, tocata com a banda de couro próximo à Igreja Matriz e principais ruas da cidade.

 

19 de maio (sábado)

04:00h – Alvorada com a banda de couro, descarga de roqueiras.
12:00 h – Repique de sinos e descarga de roqueiras.
19:00 h – Missa e 2º dia de novena do Divino Espírito Santo.
22:00 h – Apresentação de grupos folclóricos na residência do Imperador.

 

20 de maio (domingo)

4:00 h – Alvorada com a Banda de Couro, descarga de roqueiras.
12:00 h – Repique de sino e descarga de roqueiras.
15:00 h – Chegada da Folia da cidade e zona rural com desfile pelas ruas até a casa do Imperador.
19:00 h – Missa e 3º dia de Novena na Matriz, seguida de procissão até a Igreja do Bonfim, levando as bandeiras de São Benedito e de Nossa Senhora do Rosário, para levantamento de mastro e queimas de fogos fogueiras, acompanhada pela Banda de Couro.

 

21 de maio (segunda)

04:00 h – Alvorada com a Banda de Couro.
12:00 h – Repique de sinos e descarga de roqueiras.
19:00 h – Missa e 4º dia de Novena, seguida da benção do Santíssimo Sacramento e tocata com a Banda de Couro ao lado da Matriz.

 

22 de maio (terça)

04:00 h – Alvorada com a Banda de Couro.
12:00 h – Repique de sinos e descarga de roqueiras
19:00 h – Missa e 5º dia de Novena, seguida da Benção do Santíssimo Sacramento e tocata com a Banda de Couro ao lado da Matriz.

 

23 de Maio (quarta)

04:00 h – Alvorada com a Banda de Couro.
12:00 h – Repique de sinos e descarga de roqueiras.
19:00 h – Missa e 6º dia de Novena, seguida da benção do Santíssimo Sacramento e tocata com a Banda de Couro ao lado da Matriz.

 

24 de Maio (quinta)

04:00 h – Alvorada com a Banda de Couro.
12:00 h – Repique de sinos e descarga de roqueiras.
17:00 h – Entrega de lanças pelos Cavaleiros das Cavalhadas ao Imperador em sua casa.
19:00 h – Missa e 7º dia de Novena, seguida de benção do Santíssimo Sacramento e tocata com a Banda de Couro ao lado da Igreja Matriz.

 

25 de Maio (sexta)

04:00 h –Alvorada com a Banda de Couro.
12:00 h – Repique de sinos e descarga de roqueiras.
19:00 h- Missa e 8º dia de Novena, seguida da benção do Santíssimo Sacramento e tocata com a Banda de Couro ao lado da Matriz.
21:30 h – Apresentação da peça teatral As Pastorinhas, no Teatro de Pirenópolis. Produção e direção Natália de Siqueira.

 

26 de maio (sábado)

04:00 h – Alvorada com a Banda de Couro.
05:00 h – Alvorada com a Banda de Música Fênix.
12:00 h – Tocata da Banda Fênix na lateral da Matriz, seguida de repique de sinos, descarga de roqueiras e saída dos Mascarados pelas ruas da cidade.
18:30 h – Procissão com a Bandeira do Divino Espírito Santo, seguida da benção à Bandeira.
19:00 h – Último dia de Novena, e logo após, procissão acompanhada pelos Irmãos do Santíssimo Sacramento, para levantamento do mastro e o tradicional queima de fogos na beira-rio.
21:00 h – Apresentação da peça teatral As Pastorinhas, no Teatro de Pirenópolis. Produção e direção Natália de Siqueira.

 

27 de maio (domingo)

04:00 h – Alvorada com a Banda de Couro.
05:00 h – Alvorada com a Banda de Música Fênix, saindo da casa do Imperador.
08:00 h – Cortejo Imperial com a participação da Banda Fênix.
09:00 h –Missa solene, cantada em latim pela Orquestra e Coral Nossa Senhora do Rosário de Pirenópolis.
10:30 h – Sorteio do novo Imperador no consistório da Igreja Matriz.
11:00 h – Cortejo levando o Imperador até sua residência, com a distribuição de Verônicas e Pãezinhos do Divino.
13:00 h – 1ª dia das Cavalhadas.
18:00 h – Cortejo conduzindo o Imperador de sua residência até a Igreja Matriz, acompanhado pela Banda de Música Fênix.
19:00 h – Benção e posse do novo Imperador.
21:30 h – Teatro de Pirenópolis: encenação de peça teatral

 

28 de maio (segunda)

08:00 h – Reinado de Nossa Senhora do Rosário: cortejo conduzindo Rei e Rainha de suas residências até a Igreja Matriz, acompanhados pela Banda Fênix, pela Banda de Couro e pelo grupo de Congo.
09:00 h – Missa tocada e cantada pela Orquestra e Coral Nossa Senhora do Rosário.
10:00 h – Cortejo conduzindo os reis de volta às suas residências.
13:00 h – 2º dia das Cavalhadas.

 

29 de Maio (terça)

08:00 h –Juizado de São Benedito: cortejo conduzindo os Juízes de São Benedito de suas residências até a Igreja Matriz, acompanhados pela Banda Fênix, pela Banda de Couro e pelo grupo de Congo.
09:00 h – Missa tocada e cantada pela Orquestra e Coral Nossa Senhora do Rosário.
10:00 h – Cortejo conduzindo os Juízes de São Benedito, Rei e Rainha de Nossa Senhora do Rosário até suas residências.
13:00 h – 3º dia das Cavalhadas.

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Poesia, música e belas imagens


Oh! Bela Pirenópolis adormecida,
Banhada pela branca luz do luar.
Suas noites tão lindas e tão queridas
Convidam seresteiros a cantar
E ao som dos plangentes violões,
Que solam canções de ninar,
São músicas divinas
São músicas de embalar
São lindas estas serenatas ao luar.
A lua aqui é mais branca e mais tristonha,
E sempre nos convida para o amor,
Aqui tudo é um sonho, aqui tudo é risonho,
Cercada de montanhas, é jardim em flor.
Quando tu vens, oh! Lua
banhar no rio de prata,
Ele diz cantando,
Em suave murmurar,
Adeus, oh! Brancas ruas de serenatas.
Adeus, oh! Terra querida,
Joia de meu Goiás,
Vou para terras distantes
Não te esquecendo jamais.

Serenata Pirenopolina - Letra e música de Ita Lopes Siqueira